Garanta melhor sexo com o ciclo da resposta sexual

O ciclo da resposta sexual humana vai ajudá-lo a compreender o caminho do seu orgasmo e da parceira, e assim, evitar falhas, tais como perder o ânimo ou até ser demasiado rápido ou demorado.

Compreenda o passo a passo deste processo e esforce-se para manter sempre o ciclo de resgate e não de desgaste. Se não tem um sexo prazeroso com a sua parceira ou acha que precisa de melhorar, é porque algo, em alguma destas etapas, não está a funcionar.

Primeira fase: desejo

Está relacionada com antecipação. É como ter uma espécie de prurido: o seu cérebro avisa que há uma “comichão” em alguma parte do corpo e essa sensação aumenta até ser aliviada. Nesta etapa, foca-se na ligação, no romance, nos beijos e nos toques.

Segunda fase: aquecimento

Após incitado o desejo, muitas mulheres gostam de serem excitadas de forma gradual, a começar longe do clitóris e sem penetração. Isto porque o clitóris ainda não está totalmente excitado. Por isso, ignore-o no início e, só depois, comece a tocá-lo de forma suave e gradual. Esta situação faz toda a diferença. O ideal é começar com ligeiros toques com os dedos.

Terceira fase: excitação

Quando se trata de estimular o clitóris na fase de aumento da excitação, o que é mais prazeroso varia muito de mulher para mulher. Contudo, os detalhes fazem toda a diferença e a experimentação é fundamental. É nesta fase que vai trabalhar os movimentos, a variação de localização e a pressão. Mais à frente vai ficar a conhecer os vários tipos de movimentos a usar.

Quarta fase: orgasmo

Nesta etapa vai manter a consistência naquele movimento que a faz sentir maior excitação. Observe qual o movimento da etapa anterior que causou mais estímulo e sensação de prazer. Feito isto, vai mantê-lo e aumentar a pressão até ela atingir o orgasmo. Enquanto muitas mulheres preferem continuar, de forma consistente, com o mesmo movimento da aproximação do clímax até ao orgasmo, outras gostam de alterar, de alguma forma, a estimulação no início do orgasmo. Algumas das alterações predominantes são:

▪ Maior pressão geral;

▪ Maior pressão nas partes superiores e ocultas do clitóris;

▪ Diminuição da velocidade ou pausa para prolongamento do orgasmo; e

▪ Uso do pénis ou de um dedo na entrada da vagina no momento em que se                     inicia o orgasmo.

Descobrir qual destas alterações funciona melhor no caso da sua parceira é, provavelmente, a melhor trabalho de casa de todos os tempos.

Quinta fase: multiplicidade

Este é o momento em que pode fazer com que ela tenha orgasmos múltiplos. Em muitas mulheres, o clitóris fica sensível após o orgasmo, pelo que o momento é de lhe dar toda a atenção.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

• Developed by the BMM for CRSex•